Home / Resenhas / Resenha do livro “O Oceano no Fim do Caminho”

Resenha do livro “O Oceano no Fim do Caminho”

 O OCEANO NO FIM DO CAMINHO

oceano-no-fim-do-caminho-resenha

Ficha Técnica

Título Original: The Ocean at the End of the Lane

Tradutora: Renata Pettengill

Editora: Intrínseca

Ano: 2013

Páginas: 208

Avaliação: Ótimo

A história começa quando um homem volta para sua cidade natal para um funeral e de repente decide passear pela vizinhança. Ele chega a uma fazenda que fica no final da rua, lá ele começa a se lembrar de um verão mágico que passou com a menina que morava lá.

Parte da minha avaliação foi feita levando em conta expectativa e realidade. Quando eu soube que o livro seria lançado no Brasil ao mesmo tempo em que nos EUA eu simplesmente fiquei louca para ler o quanto antes. Principalmente porque este é o primeiro livro do Neil Gaiman para adultos desde muito tempo. Ou seja, a expectativa era alta e foi atendida. Ele só perdeu para mim dos livros adultos do autor para Deuses Americanos.

Falando em Deuses Americanos, eu acho que Gaiman, assim como outros bons autores como Diana Wynne Jones, Alan Moore, J. R. R. Tolkien, J.K. Rowling e etc., não criam apenas histórias, mas também universos. O Oceano no Fim do Caminho tem um universo fantástico que lembra em muito o universo de Deuses Americanos e um Os Livros da Magia. E isso é muito legal, é como se as histórias acorressem no mesmo mundo, o mundo de Neil Gaiman.

Outra coisa legal é que como a história é na verdade um grande flashback da infância do personagem principal, muitas vezes a forma como o narrador descreve as situações passa a impressão que estamos lendo um relato de uma criança. Por exemplo, bem no inicio do livro ele vê uma situação bem drástica, mas ele se importa mais com sua revistinha MAD do que com a situação em si. Isso me fez lembrar a minha infância e como eu muitas vezes via algumas situações que hoje eu vejo de outra forma. Em outros momentos o narrador é o homem adulto que faz o mesmo o que acabei de descrever. Ele adulto se questiona sobre suas reações dele como criança. O autor disse que usou a própria infância como referência. Acho que isso acrescentou muito ao livro.

Resumindo o livro é muito bom, Neil Gaiman não perdeu a mão. Eu esperava outro final para o livro, mas isso não prejudica em nada o livro.

Sobre Ligia Villon

Ligia Helena Nunes von Villon Imbó.. Mas se chamar de Li ela atende. É de natureza sucinta. Gosta de todas as 11 artes. É técnica em informática pela ETEC, mas nunca seguiu carreira na área. Por coerência decidiu fazer Cinema Digital. Escreve e desenha nas horas vagas.

Veja também

Fábulas, fumaça e espelhos – o pacto entre Sandman e Shakespeare

Em Sandman, Lorde Sonho e Willliam Shakespeare encontraram-se pelo menos três vezes. Em 1589 (Sandman. nº 14), no terceiro encontro com Hob Gadling, Morfeus ouve o jovem Will confirmar ao mestre, Kit Marlowe, que faria qualquer coisa para ser escritor. Morfeus se apressa a oferecer a Shakespeare a eternidade em troca de duas peças de teatro.

  • Alex Tavares

    Bela resenha, cai nesse site procurando no Google informações sobre outros trabalhos do Neil Gaiman, que sou fã após ler toda a série Sandman. Irei atrás de livro, e espero que seja tão bom quando Deuses Americanos ou Livros da Magia.